Lorem ipsum dolor sit amet, consectetuer vitae adipiscing elit. Aenean commodo ligula eget ut, dolor. Aenean massa. Cum sociis pretium qui asem. Nulla consequat massa quis.

Popular Post

Sign up for newsletter
[contact-form-7 404 "Not Found"]
Home  /  Currículos

Currículo da Cia.

1995 – Endecha das Três Irmãs, baseado na obra de Adélia Prado com direção e adaptação de Vânia Terra.

1996 – Poemas para Brincar de José Paulo Paes, com a direção de Eduardo Amos.

1998 – Sonhos de Einstein, baseado no livro homônimo de Alan Lightman, com direção e adaptação de Isabel Setti.

1999 – Itinerário de Pasárgada, baseado na obra de Manuel Bandeira, com direção e adaptação de Regina Galdino.

2000 – O Vôo, uma produção conjunta com a Cia A Cidade Muda – núcleo Teatro de brinquedo, com direção de Cláudio Saltini e texto de Regina Galdino.

2000 – Canto a Canto – Intervenção cênica com criação coletiva.

2001 – O Vôo II – A grande corrida das máquinas voadoras, com direção de Eduardo Amos e texto de Regina Galdino e Cláudio Saltini.

2002 – Tem Francesa no Morro, com direção e texto de Kleber Montanheiro.
Desde 2002 o grupo realiza o projeto Circular Teatro, um ônibus que se transforma em palco e leva os espetáculos do grupo para as ruas, praças e parque de todo o Brasil.

2004 – Nas Rodas do Coração, com texto de Regina Galdino e direção de Ednaldo Freire.

2006 – Clarices, de Clarice Lispector e direção de Vivien Buckup.

2007 – Noite de Reis de William Shakespeare com direção de Marco Antônio Rodrigues.

2008 – Tem, mas acabou! com texto coletivo e direção de Cris Lozano.

2009 – Como Saber?! com direção e texto de Léris Colombaioni.

2013 – Marias da Luz , texto de Daniela Schitini e Nereu Afonso da Silva e direção de André Carreira.

2014 – Bessarábia, uma feira de histórias, texto de Juliana Gontijo e direção de David Tayiu.

2018 – Quem Vem de Longe, texto de Nereu Afonso e direção de Cristiane Paoli Quito.

Elenco

Eliana Bolanho

Formada pela EAD/ECA/USP, onde realizou os espetáculos: “Marat-Sade”, direção de Francisco Medeiros; “O Mambembe”, direção de Gianni Ratto e “Histórias de Nova York”, direção de Odavlas Petti. Atuou também em “Os Brutos Também Amam”, direção de Beth Lopes, “Casa de Brinquedos”, direção de Mário Masetti;“Ópera do Malandro” direção de Gabriel Vilella e “Chica-Boa”, direção de Fernando Neves. Com a Cia As Graças fez as seguintes montagens: “Endecha das Três Irmãs” de Adélia Prado, direção e adaptação de Vânia Terra; “Poemas para Brincar” de José Paulo Paes, direção de Eduardo Amos; “Sonhos de Einstein” de Alan Lightman, direção Isabel Setti; “Itinerário de Pasárgada” de Manuel Bandeira, direção de Regina Galdino; “O Vôo” direção de Cláudio Saltini e adaptação de Regina Galdino; “O Vôo II- A Corrida das Máquinas Voadoras” direção de Eduardo Amos e texto de Regina Galdino; “Tem Francesa no Morro!”,direção e texto de Kleber Montanheiro; “Nas Rodas do Coração”, direção de Ednaldo Freire e texto de Regina Galdino; “Clarices”, de Clarice Lispector e direção de Vivien Buckup ; “Noite de Reis”, de Willian Shakespeare, direção de Marco Antônio Rodrigues; “Tem, mas acabou!”, direção de Cris Lozzano ; “Como Saber?!”, direção de Léris Colombaione; “Marias da Luz”, direção de André Carreira; “Bessarábia – Uma Feira de Histórias”, direção de David Tayu e “Quem Vem de Longe”, direção de Cristiane Paoli Quito.

Juliana Gontijo

Iniciou seus trabalhos teatrais em Belo Horizonte, onde realizou os seguintes espetáculos com a Cia. Sonho e Drama: O Processo e A Metamorfose de Franz KaTha e Grande Sertão Veredas de Guimarães Rosa, todos com direção de Carlos Rocha. Em São Paulo, formou-se pela Escola de Arte Dramática da USP – EAD em 1995, onde realizou os seguintes trabalhos: Festas de Amigo Secreto de Naum Alves Souza, direção do mesmo; A Tempestade de William Shakespeare, direção de José Rubens Siqueira e Marat-Sade de Peter Weiss, direção de Francisco Medeiros. Realizou ainda: Circotrilho com direção de Cristiane Paoli Quito, Mistinguett com direção de Dagoberto Feliz, Noite na Taverna com direção de Helder Mariani e Chica Boa com direção de Fernando Neves. Como palhaça, integra desde 1998 o projeto de palhaços em hospital Doutores da Alegria, onde além do trabalho regular nos hospitais, realiza várias apresentações em teatros na cidade de São Paulo. Também com os Doutores da Alegria criou o espetáculo Numvaiduê com direção de Gustavo Kurlat. Integra desde 2013 o coletivo Sampalhaças, um coletivo musical de palhaças mulheres que trabalha o cortejo e a comicidade feminina.

Com o grupo As Graças realizou 16 espetáculos e também participa do projeto Circular Teatro, que percorre, em um ônibus-teatro, todo o Brasil apresentando o repertório do grupo.

Vera Abbud

Com o grupo As Graças realizou 16 espetáculos e também participa do projeto Circular Teatro, que percorre, em um ônibus-teatro, todo o Brasil apresentando o repertório do grupo. Na Troupe de Atmosfera Nômade trabalhou com Cristiane Paoli Quito e Tiche Vianna onde fez os espetáculos Uma rapsódia de Personagens Extravagantes 1991, o Rei de Copas 1993 entre outros todos com direção de Cristiane Paoli-Quito. Integra desde 1991 o projeto de palhaços em hospital Doutores da Alegria, onde além do trabalho regular nos hospitais, realiza várias apresentações em teatros na cidade de São Paulo e criou o espetáculo Numvaiduê, com direção de Gustavo Kurlat.

Como palhaço em hospital trabalhou um ano em Paris no grupo Le Rire Medecin, trabalhou na Noruega em Fredikstad, junto com Leris Colombaioni e teatro Brucaliffo de L ‘Aqquila dentro do festival Festigata, trabalhou em NY no Clown care unit durante um mês, participou da operação Sorriso (Operation Smiles) em Fortaleza (1998/1999), com o apoio do Instituto C&A. Com a atriz Paola Musatti fez o espetáculo Pelo Cano que se apresentou em diversos festivais pelo Brasil, no Festival de Bogotá (2012), no navío Ibero Cruceros (2012), em Viena, no festival de palhaças Clownin 2015. Fez temporada no teatro dos Parlapatões (2012) e Cit-Ecum (2013). Com a Cia do Quintal faz o espetáculo Jogando no Quintal, que está há mais de 11 anos em cartaz, onde os palhaços improvisam com temas propostos pelo público. Integra o coletivo Sampalhaças, um coletivo musical de palhaças mulheres que trabalha o cortejo e a comicidade feminina. Fez o espetáculo Chica Boa de Paulo de Magalhães e direção de Fernando Neves. Dirigiu o solo de palhaço Xuleta mon amour, com Gyuliana Duarte em BH.